Menu fechado

Empilhadeira elétrica ou remi elétrica?

Sabemos que quando uma indústria funciona, ela necessita de muitos funcionários, assim como serviços e ferramentas para que possa continuar fazendo todo o seu trabalho, que é sempre muito abrangente.

Para que isso realmente seja totalmente possível, a organização e também as estratégias devem ser bem traçadas, para que nada falte. Além disso, o profissionalismo e a capacidade dos trabalhadores conta demais.

No entanto as ferramentas também são importantes, e hoje falaremos sobre um nicho delas, que é sobre a empilhadeira, equipamento que é utilizado principalmente em galpões e áreas de distribuição e, carga e descarga.

E para que você entenda mais a importância, a diferença entre algumas delas e também sobre o seu funcionamento, acompanhe o texto, pois com certeza irá tirar muitas dúvidas que permeiam sua cabeça.

Empilhadeira elétrica x semi elétrica

Hoje sabemos que existem diferentes tipos de empilhadeiras, ou paleteiras, como também são chamadas, porém iremos falar sobre os dois tipos mais utilizados no meio industrial, principalmente na área da logística.

Esse segmento dentro de uma fábrica é aquele que lida com toda a parte de transporte e distribuição, além do armazenamento de todos os produtos que estão no local. E as empilhadeiras são necessárias, pois ajudam nesse movimento.

Elas foram feitas justamente para ajudar a levar, carregar e descarregar cargas, porém, elas aguentam cargas muito pesadas por muito tempo, e isso ajuda muito no trabalho em relação ao físico dos funcionários, que não se desgasta, trazendo rapidez e versatilidade ao trabalho.

Enfim, primeiramente iremos falar sobre a empilhadeira elétrica retrátil, que é muito presente em empresa que realizam estocagem e, cargas e descargas de materiais muito pesados e de difícil mobilidade.

Alguns de seus benefícios são:

  • Possui a partir de 3 tipos de elevação;
  • Não precisa de esforço;
  • Tem rodas feitas de nylon;
  • Não é necessário um curso especializado para lidar com ela;
  • Possui automação e visualização eletrônica.

Enfim, a eletrônica não demanda nenhum tipo de força física, e todos os tipos de cargas que serão elevadas, sejam quais forem, terão seu peso articulado pela sua força mecânica, e não por pessoas.

Já a empilhadeira semi elétrica ajuda também em todos os sentidos e possuem uma capacidade média de uma tonelada. Seu tamanho é mediano, é muito indicada para almoxarifados e também para trabalhar com caminhões.

Além disso, possui tração manual e sua elevação é por acionamento elétrico, com um exclusivo sistema de operação de paletes abertos. Outro ponto é que os funcionários manuseiam essa máquina em pé, andando, sempre com ela à frente.

Suas outras vantagens são:

  • Funcionalidade;
  • Facilidade de manuseio;
  • Necessita de profissionais treinados;
  • Ótimo custo-benefício;
  • Durabilidade.

Enfim, seja qual for a sua escolha entre as duas opções, sairá ganhando de todas as formas.

Rodas e pneus

Outro ponto muito importante a se pensar, é o pneu para empilhadeira. Pode parecer estranho de começo, porém é quem auxilia toda a locomoção do equipamento e também a resistência dele.

Ou seja, o tipo de sua roda irá sempre intervir no uso, então para ser escolhida corretamente, é necessário levar em consideração sua resistência, estrutura, assim como a sua capacidade de trabalho.

Geralmente a roda para empilhadeira é feita em nylon ou em poliuretano, que são materiais muito duráveis e que possuem aderência no solo, adequação e flexibilidade em todos os tipos de experiências.

Lembre-se que para ter um tipo mais adequado para suas paleteiras é necessário evitar solos desnivelados, assim como sua desigualdade. Além disso é preciso procurar sempre elementos com durabilidade, resistente a impactos e que possam andar em alta velocidade.

Manutenção e reparo

Por último iremos falar sobre a manutenção de paleteiras, pois como elas sempre estão com grandes pesos em seu corpo e indo de um lado para o outro, precisam de reparos periódicos.

Há três tipos de manutenção, que são a preventiva, a preditiva e a corretiva. A primeira é feita frequentemente, para descobrir os possíveis defeitos futuros.

A segunda irá focar em entender o total funcionamento e também o tempo de vida que ela terá. E a terceira, irá reparar os problemas que a paleteira elétrica irá apresentar em algum momento.

Enfim, essas são as diferenças das duas empilhadeiras mais utilizadas, assim como seus pontos mais importantes e necessidades como máquina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *